Eu e o avião, um relacionamento em crise

Eu nunca tive medo de voar, sempre me senti bem no ar, porém andei me irritando muito com a logística toda que envolve viajar de avião. Deixa me explica: Berna não tem um aeroporto muito funcional. O daqui é pequeno, somente quatro portões, com poucos - e caros - voos. Por conta disso, o mais normal pra quem é daqui é usar os aeroportos de Zurique ou Basel, ou ainda Genebra. 

Agora façam a matemática comigo: para chegar em Basel ou Zurique, preciso de uma hora de trem (Genebra quase 2). Além disso, é sempre recomendável chegar com pelo menos uma hora de antecedência - as vezes um pouquinho mais porque as filas de segurança em tudo que é aeroporto andam grandes. Daqui, dentro da Europa, posso voar em menos de duas horas pra quase tudo que é lugar. E depois chego num aeroporto, que normalmente é longe da cidade e devo pegar um transporte para o centro. Normalmente, essa jornada toda toma pelo menos cinco ou seis horas. Com esse tempo posso ir para várias capitais europeias de trem, sem tanto desgaste. Milão é três horas, Paris é quatro, Amsterdam se pegar uma conexão boa, 7 horas (parece muito, mas isso foi o que eu gastei de avião na última ida, pingando entre vários meios de transporte. Seria mais fácil ficar sentadinha numa poltrona confortável, não?). 

Para além das irritações logísticas, vou contar aqui uns casos que se passaram comigo nos últimos meses, que ajudaram a aumentar minha irritaçãozinha, rs. 
A vista as vezes compensa na amolação, né? 
* * *
Em outubro fizemos uma viagem e a nossa volta era Minneapolis - New York - Istambul - Zurich. Imaginem o cansaço ao chegar em Istambul às 5 horas da manhã, depois de praticamente 24 horas voando. Eu só queria chegar em casa, mas estava até aliviada que só me faltava mais duas horas de avião e uma de trem. Nos acomodamos em nossos assentos, quando de repente chega na fileira da frente uma família. Pai, mãe e quatro crianças. As duas maiores sentaram em dois assentos separados, e as duas menores com os pais na nossa frente. Agora o X da questão foi que os pais estavam absurdamente fedidos. Uma coisa que eu nunca senti na vida. Instantaneamente me deu ânsia de vômito, principalmente porque até o avião decolar, o ar condicionado estava fraco. Percebi que pessoas de muitas fileiras atrás estavam incomodadas, agora imaginem a gente exatamente atrás dos gambás. Sério, era uma onda de fedor que vinha de minuto em minuto, que eu depois de dar muita risada, entrei num modo desespero. Tentamos mudar de lugar, e não vimos nada livre por perto. Pra piorar, ficamos sem jeito de reclamar, porque o que a tripulação poderia fazer num avião lotado? Depois de duas horas horrorosas de voo, nem no pouso eu tive paz. O ar foi novamente desligado, a onda de catinga intensificou, as duas crianças de colo começaram a berrar desesperadamente, o fedor piorou - porque eu imagino o suador que dá em pais cujas crianças não param de chorar o choro mais estridente no voo, rs. Enfim, eu, que já estava com a cara enrolada numa echarpe perfumada, acabei chorando e respirando num saco. 
Travel Style before the Saco
* * *
Dois meses depois, to eu voltando sozinha da California, Matt estava em outro voo. Minha rota era LA - Istambul - Zurich. O voo entre LA e Istambul dura 13 horas, e logo no começo, menos de uma hora de voo, fomos acometidos por uma SUPER turbulência. Daquelas que faz tudo da cozinha cair, em que mesmo com passageiros chorando e passando mal, os tripulantes devem permanecer sentados e com cinto de segurança atados. Foi feia... E adivinha quem quase teve um troço? Isso mesmo, euzinha. Fazia muito pouco tempo do acidente da Chapecoense e de todos aqueles outros que aconteceram num curto espaço de tempo em novembro/dezembro, e foi um efeito cascatinha. Quanto mais gente desesperada eu via, mais medo me dava. Mas ok, a turbulência durou uns 20 minutos, e quando acabou, eu voltei ao meu estado normal. Aí formou aquela fila imensa no banheiro, pro provo desopilar o nervo, e os comissários deram início ao serviço de bebida alcoólica pra acalmar geral, haha. Eu tomei meu vinho e fiquei pleníssima. Coisa de uma hora depois, um comissário vem falar comigo. Eu estava sentada na última fileira, sozinha, e ele veio pedir para me mudar de lugar, pois havia um passageiro dando trabalho, e eles queriam sentar ele lá. Long story short: o cara devia ter tomado uns remédios, jogou um álcool por cima, e transtornou. Ele causou muito, mas tipo, MUITO. Teve que ser amarrado, metade da tripulação ficou ali ocupada só em segurar a criatura, e em dado momento um dos comissários estava basicamente sentado em cima dele. Todo mundo que estava por perto teve que escrever um relatoriozinho. E isso ainda faltava mais de 10 horas de voo. Quando estávamos prestes a entrar no oceano, o capitão veio ver se teríamos que parar, e optou por seguir viagem. No fim, o cara capotou e só acordou em solo turco, mortinho de vergonha. Voo cansativo para todos. 
* * *
Fui ao Brasil em abril, e usei o retorno da minha passagem de mudança. Voei com a Air France, e minha conexão em Paris (CDH) era super apertada, somente uma hora. Como a passagem foi data trocada, a própria empresa me colocou nesses voos, e eu ainda perguntei "- não posso perder a conexão, você acha que dá tempo? - Claro senhora, não se preocupe". AHAM, SENTA LÁ. Meu voo atrasou na saída de Zurich, e eu cheguei em Paris faltando 40 minutos para meu voo pro Brasil. Já desesperançosa, corri até me deparar com uma multidão desorganizada. Era a "fila" para passar no controle de passaporte de saída da UE. Um absurdo. Fui falar com uma agente do aeroporto, e ela me disse que todos estávamos na mesma situação e eu deveria esperar. Gastei quase meia hora lá. Olhava para os lados e não via outros brasileiros (sempre procuro o passaporte na mão), então tive certeza que tinha sido largada pra trás. Quando finalmente consegui passar já era hora do meu voo, e eu ainda tinha que pegar um ônibus e cruzar o aeroporto. No tal do ônibus encontrei mais brasileiros do voo e comecei a ter esperanças de que talvez estivessem nos esperando, pois mais difícil acomodar 5 pessoas, né. Depois de muito correr, e chegar no portão de embarque suando, com cadarço desamarrado, e uma pessoa com uma queda no trajeto, o avião estava lá nos esperando. Há 45 minutos. Saímos atrasados, e obviamente minha mala não chegou comigo no Brasil. Passei um dia inteiro sem nada. 
* * *
Ta justificada minha atual implicância com aviões? Espero que sim. E antes que pareça uma velha coroca reclamona, devo dizer que voltei do Brasil de business class e que vida maravilhosa tem gente ryca, viu. Fosse eu uma delas esse post não existiria, porque duvido que na business tem gente fedida e bêbada. 

14 comentários:

  1. Gabiiiiiiiiiiiiiii! Tô absolutamente chocada com seus causos. Essa do pessoal fedido, fiquei com uma dó! Que situação complicada, pq... você faz o quê? Não tem muito o que fazer, né? Sobre o cara que causou, fiquei morrendo de raiva só de ler aqui. Já pensou se o avião tivesse que deixar de seguir destino só por causa desse infeliz? Realmente, viajar de avião pode trazer vários problemas - um deles, por exemplo, é essa questão das distâncias mesmo. Às vezes você passa mais tempo do trajeto casa-aeroporto-segurança do que voando propriamente dito. Um mega stress, queria tanto poder viajar mais de trem, mas como estamos numa ilha, não rola! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, realmente, rpa vocês trem não é uma realidade haha.. esse fim de semana voltei de Paris de trem, e foi uma CALMA sem fim... definitivamente irei priorizar no futuro, evitar esse stresse todo.

      Excluir
  2. Minha nossa, Gabi.. olha esses perrenques aáeros que vc teve que passar! Viajar de avião é mesmo uma loteria pq vc nunca sabe o que vc pode encarar e como uma coisinha pode mudar o curso da viagem né, que nem o cara que ficou mucho loko. Pessoas fedidas ninguém merece, dá vontade até de pular fora do avião, né? Acho que se fosse eu ia ficar bem com um lencinho igual vc! xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os fedidos foram a coisa mais surreal da minha vida, eu nunca imaginei que um ser humano pudesse feder tanto. O cara esta muito fedido, mas a esposa, eu falei pra mateus.. ela morreu e está em decomposição, não é possível. Foi traumático hahaha!

      Excluir
  3. a Suíça tem mesmo uma posição privilegiadíssima quanto aos trens. daqui assim de boas só rola França, Holanda ou Bélgica. mas como eu não somo tantos perrengues de voo como você, vou de avião mesmo. ainda mais agora em Düsseldorf. passei 8 anos em münster e a situação de aeroporto era meio como a tua em berna... cada voo era uma odisseia. agora moro a 3 paradas do aeroporto de Düsseldorf que é gigante e isso tem melhorado bastante a qualidade das minhas viagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que sonho, estar a 3 paradas do aeroporto. Pior, até o aero pequeno que tem aqui em Berna eu teria que trocar 3 vezes de transporte haha.. e daria 40 minutos. Ou seja, pagar caríssimo e ainda assim sem sossego. Não tem jeito, aqui em Berna a coisa é feia!

      Excluir
  4. Eu entendo sua implicancia com aviao eu tenho as minhas e especialmente com a empresa American Arlines...rsrs...mudando de assunto ai que sonho morar num lugar que da pra viajar de trem em relativamente pouco tempo ta em lugares maravilindos....um dia eu chego la...rsrs. Esses dias eu tava no onibus pensando nesses fedidos, sempre que viajo no verao de aviao me deparo com uns, sei la qual a necessidade disso, com tanta agua disponivel nos chuveiros dos hoteis...devia ter classe especial pra fedidos e outra pra gente com crianca chata...ha ha ha.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu devo dizer que nesse verão europeu eu ando me deparando com muitos fedidos, e nasce sim uma questão na cabeça da gente né hahaha.. O que passa com o sujeito que não percebe que está mais podre que não sei o que? Não compreendo... Beijos!

      Excluir
  5. Como a galera consegue feder logo cedo!!!!!! Já usei esse truque do lenço cheiroso pra escapar do b.o. alheio também. Funciona!!
    Eu tb tenho a maior preguiça de voar. Quando eu morei em Detroit eu ia muito pra Chicago visitar meus tios. Fui de avião algumas vezes e depois passei a ir só de carro. Seis horas de carro VS 45 minutos de avião, estacionar o carro ou pedir pra alguém me levar e buscar, esperar mala, voo atrasado, voo esperando autorização pra pousar... um trampo!
    Lembra daquele avião que a Rússia derrubou em 2014? Eu estava viajando aquele dia e meu voo saiu 5 minutos depois daquele que foi derrubado. Quando chegamos no nosso destino e ligamos a TV eu já estava com dor de barriga pra voltar pra casa de avião. Depois disso sempre dou uma suada no avião! (Mas sempre uso desodorante! Haha)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia que você tinha morado em Detroit Carol... Morei no Wisconsin, ia bastante pra Chicago, e depois trabalhei bastante em Detroit haha.. E realmente, é uma chateação, ainda mais que nos EUA se voo atrasa ou qualquer outra coisa passageiro não tem direito nenhum.

      Agora esse papo aí do avião da Ucrania foi tenso, heim? Me deixou impressionada só de ler seu comentário, imagina você... de deixar nervosa mesmo, mas sim, nervosa porém com desodorante sempre hahaha!

      Excluir
    2. Eu adoro viajar, mas a parte do avião é realmente difícil... Eu tenho medo de voar e minha mudança para Kiev foi confirmada 3 dias antes dos separatistas derrubarem o avião na Ucrânia. Para onde a Carolina estava indo no dia do acidente? Não consegui entender direito. Enfim, se tivesse que escolher, preferia mil vezes o povo fedido do que a turbulência de 20 minutos. Fico tensa só de imaginar. Por mim eu só viajava de trem, mas infelizmente não é possível.

      Excluir
    3. Nossa Ale, que tenso. Acho que eu ia ter que viajar dopada nessas condições hahaha...

      Excluir
  6. Também prefiro mil vezes viajar de trem, mas nem sempre é possível. Odeio tudo que envolve uma vigem de avião, tudo mesmo, sempre tenho dor de barriga e emagreço uns 3 quilos só de ansiedade, nada para no estômago. E isso há 15 anos de idas e vindas com 2 crianças sempre viajando sozinha. Já passei por todo tipo de situação que você possa imaginar, perdi vôo, cheguei sem mala, turbulência, criança doentes no colo, gente fedida e gente mal-educada. Também queria ser rica pra viajar só de Business! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa senhora, nem imagino como deve ser ainda viajar com duas crianças. Guerreira você!

      Excluir

Follow @ Instagram

Back to Top